Abertura comercial da Linha Laranja do Metro do Porto.


A abertura comercial da Linha Laranja do Metro do Porto para Fânzeres (Gondomar) realizou-se, como previsto, a 2 de Janeiro. A primeira viagem foi efectuada, entre muitos convidados (e órgãos de Comunicação Social), pelo Presidente do Conselho de Administração da Metro do Porto, Ricardo Fonseca, pelo Presidente da Câmara de Gondomar, Valentim Loureiro, e, também, pelo Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, António Mendonça.

A cerimónia fica marcada pelas palavras de Valentim Loureiro e Rui Rio (Presidente da Junta Metropolitana do Porto), que apelaram ao Governo para que assuma os compromissos (e prazos) anteriormente definidos sobre o alargamento da Linha do Metro.
Em resposta, o Ministro das Obras Públicas, António Mendonça, optou por não responder…


O Presidente da Câmara de Gondomar, Valentim Loureiro, e o Presidente da Junta Metropolitana do Porto, Rui Rio, apelaram ao Ministro das Obras Públicas para que assuma o compromisso do seu antecessor, Mário Lino, relativamente à expansão do Metro do Porto. A solicitação aconteceu durante a abertura da Linha Laranja, no dia 2 de Janeiro. Valentim Loureiro e Rui Rio lembraram ao governante o acordo assinado em 2007 – e, também, o projecto de expansão da Linha. Em resposta, o Ministro António Mendonça apenas disse que esse, “como todos os projectos” em curso no país, estão a ser “reavaliados”.


O Presidente da Junta Metropolitana do Porto sugeriu que fossem transferidas as verbas do QREN (destinadas ao TGV Porto/Vigo) para o Metro do Porto. Mas também aí António Mendonça disse não ser “assim tão simples”. “Relativamente a essa matéria não me queria pronunciar sobre isso. As coisas não são tão simples, tão lineares. É uma proposta, naturalmente que respeito, mas é um assunto sobre o qual não me queria pronunciar”, afirmou o Ministro das Obras Públicas.
A situação financeira da Metro do Porto foi também abordada no discurso do seu Presidente, Ricardo Fonseca. “Falar da expansão do Metro traz à colação a principal preocupação com que nos confrontamos: a situação financeira da empresa. O projecto há anos tem vindo a ser financiado essencialmente por recurso a dívida bancária”, frisou o responsável pela empresa.

Segundo António Mendonça, o Governo está a reavaliar todos os projectos de obras públicas. “Não é nada que tenha a ver com o Metro do Porto ou com outro projecto qualquer em particular. É algo que deriva das restrições financeiras actualmente existem, à luz das quais todos os projectos têm de ser reavaliados”, disse António Mendonça. O Ministro disse, também, que o Governo tem de ser “mais selectivo, mais exigente e as prioridades têm de ser mais claras”.
O assunto também não escapou ao Presidente da Câmara de Gondomar, Valentim Loureiro, que aceitou transferir para a 2.ª Fase da Rede a chegada do Metro ao centro do Concelho. E, agora, teme novos adiamentos… “Se não vier a concretizar-se (a segunda Linha para Gondomar, inserida no pacote da 2.ª Fase de expansão da Rede do Metro do Porto), os Gondomarenses têm de sentir-se enganados! E eu tenho de sentir alguma culpa por ter permitido que a linha fosse encurtada, porque acreditei no ministro Mário Lino…”, destacou Valentim Loureiro.

O Presidente da Câmara de Gondomar admitiu que o actual ministro das Obras Públicas “nada tem a ver com os compromissos que o antecederam”. Mas, complementou, “o Governo é uma pessoa de bem e todos os que o integram devem assumir os seus compromissos”.
Valentim Loureiro relembrou que a Linha de Metro de Gondomar tinha projecto para ir até à Sede do Concelho, aprovado pelo Governo de Durão Barroso em Julho de 2003. E que, com as alterações impostas por Mário Lino, a linha “foi cortada”. Ficou então previsto que a ligação ao centro de Gondomar fosse feita através da linha de Valbom (Campanhã – Gondomar), inserida no pacote da 2.ª Fase da rede. “Tenho um dossier com várias declarações de Mário Lino para ver os compromissos assumidos, porque isso foi o que nos convenceu a aceitar a alteração. Queria chamar bem a sua atenção para os compromissos assumidos pelo Governo anterior”, frisou Valentim Loureiro – que, no final da cerimónia, entregou a documentação a António Mendonça.
Designada “Laranja”, e com a letra F, a Linha que vem até Fânzeres (Gondomar) conta com 10 novas estações, numa extensão de sete quilómetros. Com o novo percurso, que representa um investimento de 135 milhões de euros, a Metro do Porto totaliza 80 estações ao longo de 67 quilómetros de linhas. As composições vão ter uma frequência de 15 minutos em hora de ponta e vão demorar cerca de 18 minutos a percorrer a viagem entre Fânzeres e o Estádio do Dragão.
Entretanto, de referir que o Conselho de Administração da Metro do Porto aprovou, a 15 de Dezembro de 2010, os termos do Concurso Público para a 2.ª Fase da rede – que inclui as linhas do Campo Alegre (Matosinhos Sul – S. Bento), S. Mamede (Pólo Universitário – Vasco da Gama), Valbom (Campanhã – Gondomar) e prolongamento da linha Amarela entre Santo Ovídio e Vila d’Este.

1 comentário:

josé disse...

O Governo prometer promete o pior é cumprir.