Leya acusada de destruir edições históricas.

Li recentemente esta notícia no JN.

“Dezenas de milhar de livros da autoria de Jorge de Sena, Eugénio de Andrade, Eduardo Lourenço e Vasco Graça Moura, publicados pela ASA ao longo da última década, foram destruídos recentemente pelo Grupo Leya. Inclusive, o "abate" de duas das obras poderá implicar a existência de ilegalidade.
Nos 96 títulos atingidos, incluem-se obras marcantes como "Daqui houve nome Portugal", uma antologia de verso e prosa sobre o Porto organizada e prefaciada por Eugénio de Andrade, e "21 retratos do Porto para o século XXI", uma edição comemorativa dos 150 anos da morte de Almeida Garrett que inclui textos, pinturas, desenhos e fotografias de dezenas de autores. É devido à destruição destes dois títulos que o editor portuense resolveu interpor uma acção judicial contra o grupo detido por Miguel Pais do Amaral.”

Dei-me a pensar que se temos tanta falta deste tipo de literatura nas nossas Bibliotecas públicas e Escolares, estes livros não ficariam lá melhores que no destino que lhes deram?

Nos 96 títulos destruídos não haveria quem os quisesse ler?
É assim que este grupo quer incentivar a leitura?
Já não basta os livros serem vendidos a um preço absurdo que quase ninguém consegue comprar e ainda fazem disto?
Assim só matam a cultura, pois impedem que ela seja lida e aprendida por muitos que poderiam o fazer e só não fazem porque não têm dinheiro para pagar o absurdo que lhes é pedido e depois como não os vendem destroem.
Numa Biblioteca, Escola, Hospital, Cadeia, ou numa sala de espera, em que as pessoas em vez de lerem revistas a falar da vida dos outros poderiam aprender algo mais, estes livros seriam mais úteis.
De certeza absoluta.
As minhas desculpas aos autores; Jorge de Sena, Eugénio de Andrade, Eduardo Lourenço e Vasco Graça Moura por este crime que fizeram contra eles.
Peço desculpas porque eles não têm humildade para o fazer.
O que os terá levado a tal ignorância?

5 comentários:

Anónimo disse...

Tem razão Dani.
Sempre fazem isso.
Depois nós é que somos os ignorantes.

Mikii disse...

Bom dia caro Daniel, em primeiro lugar obrigado por ter visitado o meu blog.
Agora queria dizer que tem toda a razão do mundo quando diz que os livros ficariam muito melhor numa biblioteca. Eu próprio trabalho numa biblioteca de uma Escola Secundária e todos os dias nos deparamos com essa falta que voçê diz.
Principalmente de autores Portugueses.
Obrigado pelo seu Blog.

Dionísio Dinis disse...

Grato pela justa indignação que manifesta no seu escrito.
De entre muitos que na net publicitaram este trágico acto, penso que o seu testemunho é dos mais incisivos sem ser grosseiro.
Dos outros, sem a mais leve contestação a tamanha crueldade, penso que esperam ser editados pela dita cuja Leya,
Abraço fraterno

http://www.escritartes.com/forum/index.php/topic,27204.new.html#new

Dionísio Dinis

Daniel Fernandes disse...

Caro Mikii,eu é quem agradece por fazer parte dos que se interessam por ter bons blogues.
Quanto á sua nobre profissão, digolhe que é muito nobre viver todos os dias com a cultura perto de nós.
Abraço e volte sempre.

Daniel Fernandes disse...

Caro Dionisio, a moinha indignação é educada mas cá dentro vai uma revolta......
Se não fosse a educação que meus pais me deram, ai ai.
Mas como com má educação não vamos a lado nenhum eu penso que assim também não desci ao baixo nivel, ou melhor ao sem nivel dos que cometeram esse crime cultural.
Obrigado e volte sempre.