“Temos que ver isso”. Que maldita frase.

“Temos que ver isso”.
Maldita frase.
É igual a ( só mais cinco minutos quando acordamos de manha).
São frases que atrasam tudo nas nossas vidas.
Porque depois ninguém vai ver ou resolver nada.
São das frases mais ouvidas por mim em todos os órgãos onde estou envolvido. (Escola, Ap´s, Desporto e Profissional)
Aliás eu descarto logo essas pessoas e não conto nunca com elas.
E que virou moda.
Quando se quer resolver algo lá vem o raio da frase; tenho que ver, temos que ver, depois vê-se, e é que depois nunca se faz nada.
Porque será que em vez de falar que se vai resolver não se resolve de uma vez.
Não são para resolver isso as tantas reuniões de trabalho?
Caramba trabalhai e deixem-se de tretas.

Uma ajuda encoberta aos bancos.

Será que esta ajuda de 200€ por cada criança nascida não é uma maneira mascarada de colocar dinheiro nos bancos para que os bancos invistam e os clientes como não podem mexer o banco durante 18 anos vai ter esses milhões a render?
A ideia até não esta má de todo, mas em que é que vai ajudar os pais.
Se é por falta de dinheiro que não nascem mais crianças assim vai continuar a ser pois esse dinheiro não ajuda no sustento ou no infantário das crianças, ou seja os pais vão continuar sem condições económicas de ser pais, pois quando se quer um filho, quer-se dar pelo menos o essencial.

Por amor, com amor. (15)

Esta carta vai para os amigos, afinal sem voçes.....


Amigo/a;

Lembro de como era quando aqui estavas, de como a tua amizade era, ainda é e sempre será importante para mim.
De como passávamos o tempo, dos dias que nós desejava-mos que nunca tivessem fim.
Dias esses que nunca deveriam terminar.
Lembro-me de ti, sejas tu familiar ou um grande amigo/a.
A vida é o maior livro que escrevemos e nunca nos cansamos de o ler.
E no livro da minha vida estás tu.
Estão todas as personagens da minha vida, que fazem parte da minha vida, minha história, aqueles que são os verdadeiros heróis ou estrelas, esses são vocês.
São vocês as personagens com quem vivi e ainda vivo bons e maus momentos.
Estas tu amigo/a de infância, de Escola, de adolescência, da vida de adulto (que saudades da vida de criança).
Recordo de como era brincar contigo, de crescermos com amigos/as com quem se podia contar, dos tempos de Escola em que preferíamos apanhar todos a denunciar um companheiro/a, afinal mesmo que o erro fosse grave, era o nosso amigo/a.
Amigo/a, lembras-te do tempo que passamos na Escola?
Diz lá, não foram dos melhores anos da nossa vida?
Ao lembrar esses tempos, sinto as lágrimas aos olhos chegar.
As amizades que se constroem, as que duram até hoje, que sempre iremos lembrar.
Os namoricos que nessas idades pensamos nós que seriam para toda vida (alguns duram até hoje), mas que afinal foram as nossas primeiras grandes emoções.
Tempos de Escola.
Onde aprendemos mais que a ler e escrever.
Onde construímos o nosso futuro.
Onde encontramos vizinhos e amigos e onde fazemos novas amizades.
E tu amigo/a, sempre me acompanhaste, sempre estiveste comigo.
Tanto nos bons como nos maus momentos, sempre havia alguém para me escutar.
Por isso estás nas páginas da minha vida.
Por isso teu lugar é insubstituível.
As nossas histórias estão escritas com letras douradas a simbolizar a riqueza que são as verdadeiras amizades, sejas tu familiar ou só amigo/a.
Páginas essas que jamais se apagarão, que estão no fundo da minha alma, dentro do meu coração, onde apenas a tua amizade continua a escrever nas páginas das nossas vidas.
É a tua amizade por mim que te permite este livro para que continues a escrever nele.
E nada, nem ninguém pode apagar o que foi escrito, pois o que foi escrito, foi vivido e não se pode apagar o que se viveu, jamais.
Amigos/as, vamos agora passar para os nossos filhos aquilo que vivemos, o que significa a amizade e que só é amizade se nos acrescenta algo construtivo para a nossa vida.
Para que nossos filhos possam já em pequenos, sentir a riqueza que é ter verdadeiros amigos/as, que é preciso estima-los e muitas das vezes dizermos não o que eles querem ouvir mas sim o que precisam de ouvir, assim como eles a nós.
Para que nossos filhos descubram na Escola mais cedo que nós o quanto esta idade de criança é bela e feliz.
Escola, a nossa segunda casa (para muitos a única).
Onde construímos amizades que são para uma vida.
Amizades que nunca nos deixaram sozinhos e com quem podemos partilhar todos os momentos das nossas vidas, para que nunca estejamos sós.
Agora tenho de ir, de acabar esta carta, mas não te digo adeus, apenas até já.
Mas apenas deixo de escrever no papel, pois no livro das nossas vidas nunca deixarei de escrever, assim como peço que nunca deixes de escrever na minha/nossa vida.
Amigo/a obrigado por estares ai.

As mochilas e os votos.

"A Câmara escreveu a todos os encarregados de educação, prometendo dar mochilas e outro material escolar em Setembro.
Uma medida que já mereceu críticas da Oposição pela proximidade às eleições autárquicas."
Fonte: JN

Agora pergunto eu;

E se em vez da Oposição criticar, fizesse melhor?
Se acham que é por isso que vão perder votos,(eu não acho que seja por ai)porque não tiram alguns milhares de euros que gastam em campanha politica, e os gastam em material escolar?
Pois assim, em vez de gastar em cartazes e panfletos que nunca entram em nossas casas, gastavam em coisas úteis que chegando aos nossos filhos, também chegariam a nós.
Se acham que é por isso que vão perder votos então sejam sábios e recuperem esses votos dando mais que o adversário.
Aprendam que eu não duro sempre.

Escolas em obras.

Tenho visto no MAP (Movimento Associativo de Pais) algumas situações bizarras mas esta merece uma nota neste meu/vosso blog.
Numa visita a uma Escola sede de Agrupamento, tive conhecimento de que há pais que por os filhos não serem transferidos para uma determinada Escola, esses pais têm sido até malcriados para com as pessoas das secretarias das Escolas.
Mesmo que o facto tenha a ver com o motivo de essas Escolas estarem em obras de melhoramento (as mesmas obras que os pais tanto pedem) e como tal não é possível poderem aceitar mais inscrições.
Contudo os pais parecem não entenderem e colocam as culpas em quem não as tem.
Será que custa tanto entender que as crianças vão beneficiar e muito com as obras em curso e não adianta forçar a inscrição numa Escola que neste momento não pode mesmo receber mais alunos por falta de espaço?
Por favor, vamos ser racionais, para isso temos cérebro.

Dr. House.


Hoje venho homenagear uma personagem da série Dr. House protagonizada por Hugh Laurie.
Esse actor mostra-nos um pouco do que muitas das vezes se espera de alguém.
Que quando precisamos de um amigo/a para nos dizer a verdade, essa pessoa seja assim como House, frio, directo, que tome as decisões correctas mesmo que nos doa um pouco na altura, sabendo que nos vai por bons depois.
Por vezes é de uma pessoa assim que precisamos de escutar e a prova disso é o sucesso que essa série faz em todo mundo.
Talvez esteja a ser um pouco tendencioso por também ser directo quando tenho de falar, mas tomara eu ser tão directo assim.

Por amor, com amor. (14)

Com atenção escuta minhas palavras que saem do meu coração.
Palavras que querem chegar ao teu coração, à tua razão, ao teu ser.
Palavras que me saem do coração para traduzirem o que por ti sinto, e não são pouco o que sinto.
Palavras que ganham forma de vida quando escutadas pela pessoa a quem elas se destinam.
Palavras não são o que se diz, mas sim a forma como se diz.
Palavras já muitas te disse e mais te direi, na certeza que no teu coração chegarei.

Peço desculpa.

Peço desculpa a todos que me visitam e a quem costumo visitar, mas pelo facto de estar a mudar de casa não tenho estado tão presente como desejaria e como seria meu desejo.
Contudo, agora que já acabaram as mudanças e estou de férias estou de volta com vontade redobrada de estar na vossa companhia.
Abraço e continuação de boas escritas para todas/os.